TRACKING DO NINHO

O tracking tucano fechou DIA 22 ESTABILIZADO em 53% Aécio x 47% Dilma. NÃO CONFIE EM INSTITUTOS DE PESQUISA. ELES SÓ ERRAM CONTRA AÉCIO.

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Pesquisas Ibope e Datafolha saem mais cedo, juntinhas. As duas colocam Dilma à frente, além da margem de erro. É golpe!

Datafolha coloca Dilma com 53% x 47% de Aécio. E Ibope coloca Dilma com 54% x 46% de Aécio. As pesquisas, normalmente, são publicadas no Jornal Nacional. Hoje saíram mais cedo. É o golpe eleitoral em andamento. É para desestabilizar a militância e as pessoas de bem, atacadas junto com o candidato tucano na campanha mais sórdida e abjeta já vista no mundo, comandada por Dilma e Lula, escória da política.

Campanha suja da Dilma é replicada por todo o Brasil. PF apreende material em MS.

Delcídio e Dilma: dose dupla de sujeira e baixaria.

A Polícia Federal apreendeu nesta quinta-feira, 23, material de informática utilizado para disseminar ataques e ofensas pessoais contra o candidato do PSDB ao governo do Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja. Os equipamentos foram encontrados em busca realizada na produtora Macarena Vídeos que, segundo os oficiais de Justiça, estava arrendada para a campanha do candidato do PT, senador Delcídio Amaral. O candidato nega relação com a produtora. 

A busca e a apreensão foram autorizadas pela juíza da 44ª. Zona Eleitoral de Campo Grande, Cintia Xavier Letterielo Medeiros, com base em denúncia da campanha do tucano. De acordo com o auto de constatação assinado pelos oficiais, o proprietário do imóvel, Tuba Abrão, informou que arrendara o local à campanha de Delcídio e franqueou a entrada da equipe. Os peritos constataram a existência de material ofensivo ao candidato Reinaldo Azambuja e apreenderam dois discos rígidos de computador.

O material foi encaminhado à Justiça que deve pedir ao Ministério Público Estadual a abertura de investigação da possível prática de crimes comum e eleitoral. De acordo com a campanha de Reinaldo, a investigação foi pedida depois que até endereços eletrônicos e números de telefones de familiares e partidários do candidato, como a candidata a vice em sua chapa, foram usados para disseminar ataques e ofensas pessoais. 

O advogado da coligação de Delcídio, Newley Amarilla, disse que a Macarena Vídeos não tem qualquer vínculo com a campanha. "A produtora citada não é e nunca foi produtora da campanha de Delcídio Amaral. Quem está sendo vítima de uma campanha difamatória é o candidato Delcídio." O advogado disse ter ele mesmo recebido mensagens em seu celular com ataques pessoais ao petista. Procurado, Marcelo Abrão, conhecido como Tuba Abrão, não foi encontrado. Sua secretária informou que ele havia viajado para sua fazenda no interior e não autorizava fornecer o celular. (Folha Poder)

R$ 131 BILHÕES DESVIADOS DA SAÚDE Corrupção? Má gestão? Quantas vidas poderiam ter sido salvas, se Lula e Dilma não desviassem o dinheiro nestes 12 anos?

Levantamento feito pelo Conselho Federal de Medicina em parceria com a ONG Contas Abertas afirma que o Ministério da Saúde deixou de usar R$ 131 bilhões entre 2003 e 2014 na saúde pública.O período se refere aos dois mandatos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e ao da atual presidente, Dilma Rousseff, ambos do PT. A conta foi feita com base nos recursos autorizados pelo orçamento no período em relação ao que foi desembolsado pela pasta. Pelo cálculo feito no estudo, somente no ano passado R$ 12,78 bilhões permaneceram nos cofres. Neste ano, até outubro, dos R$ 107,4 bilhões autorizados, R$ 80 bilhões haviam sido usados.

"Há uma histórica subutilização dos recursos. Algo incoerente, sobretudo quando analisamos as necessidades do setor", afirmou o presidente do CFM, Carlos Vital. Ele disse  que recursos seriam suficientes, por exemplo para construir 320 mil Unidades Básicas de Saúde de porte 1, destinadas para atendimentos mais simples. "O cálculo é feito apenas para dar uma dimensão do que poderia ter sido destinado para o setor e não foi", completou.

Pelos cálculos do CFM, entre 2003 e 2014 a dotação autorizada para a área da Saúde totalizou R$ 1,021 trilhão. No período, no entanto, desembolsos foram de R$ 891 bilhões. Vital avalia que dois fatores impedem a utilização integral dos recursos. A primeira delas seria o contingenciamento, ordem dada pelo governo para que o dinheiro, embora previsto no orçamento, não seja usado. Em seguida, viriam problemas de competência administrativa. Recursos previstos para serem usados em projetos, em parceria com Estados e municípios, que ficariam intocados por falta da apresentação de projetos adequados.

Interação. "O dono do recurso tem de interagir, ir até seus parceiros, identificar as falhas e ajudá-los a superá-las. Faz parte da sua missão", disse Vital.  Esta não é a primeira vez que o CFM faz levantamentos sobre a utilização de recursos destinados no orçamento para o Ministério da Saúde. Em anos anteriores, resultados foram encaminhados para o Ministério Público Federal e para Tribunal de Contas da União. 

O levantamento feito pelo CFM mostra que entre 2003 e 2013 foi autorizado o uso de R$ 81 bilhões em ações de investimento em saúde, como construção de Unidades Básicas de Saúde ou aquisição de equipamentos. Desse total, porém, foram gastos R$ 30,1 bilhões - de cada R$ 10 para investimentos, R$ 5,6 deixaram de ser aplicados. 

Ainda de acordo com o levantamento, este ano foram reservados para investimentos R$ 10 bilhões mas, até outubro, R$ 3,7 bilhões haviam sido efetivamente pagos. O Ministério da Saúde dá números diferentes. Afirma que para essas ações foi autorizado o gasto de R$ 6,4 bilhões e que até outubro, 67% desse valor já havia sido empenhado.  "A execução orçamentária da pasta segue o cronograma e o período do exercício mesmo considerando o ano eleitoral", diz a nota. Por lei, transferências da União para Estados e Municípios ficam suspensas no período de 90 dias que antecedem as eleições. A exceção fica por conta de obrigações que já haviam sido firmadas antes desse período. (Estadão)

Agora é Brasil 45.

Dezenas de milhares de mineiros ouviram de Aécio a promessa do maior e melhor governo de todos os tempos. Agora é Aécio 45. Agora é Brasil 45. Agora é você 45, eu 45, o gato 45, o cachorro 45, todo mundo 45 na rua buscando um voto a mais para Aécio 45.

BRASIL ENVERGONHADO E REVOLTADO! Campanha nojenta, suja e difamatória da Dilma é manchete no mundo inteiro.

O jornal britânico Financial Times publica reportagem nesta quinta-feira com crítica ao debate político na reta final das eleições presidenciais no Brasil. Ao citar os ataques contra Marina Silva (PSB), o jornal destaca a acusação de que o PT usou "táticas de difamação" contra opositores.

O FT diz que a ex-ministra do Meio Ambiente acusa a campanha de Dilma Rousseff (PT) de "espalhar mentiras". Entre as acusações que teriam sido feitas contra Marina no 1º turno das eleições, estão a de que a candidata era homofóbica. "Marina Silva acusa o PT de Dilma Rousseff de usar servidores públicos para espalhar mentiras pelas redes sociais e contatos comunitários, como o alerta de que a candidata que é evangélica iria proibir videogames", diz o texto.

Em afirmação citada pelo jornal britânico, Marina diz que "uma coisa terrível que eles (PT) disseram era que eu sou homofóbica e que uma pessoa gay tentou se aproximar de mim e meus seguranças bateram com tanta força que ele morreu". "Você não tem ideia do que essas pessoas fizeram", completou a ex-ministra.

No segundo turno, a bateria volta-se contra o candidato Aécio Neves (PSDB) e o FT cita a afirmação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que comparou o tucano a um nazista. "O tom negativo da campanha tem frustrado muitos membros da crescente classe média baixa do Brasil que estão desesperados para que os políticos debatam as questões críticas para o bem-estar, como a melhora da saúde pública, transporte e segurança", diz o jornal.

A reportagem trata, também, de respostas de apoiadores do tucano que comparam "a abordagem de Dilma Rousseff na economia com a de Cristina Kirchner na Argentina, cujos métodos intervencionistas a fizeram impopular com os mercados financeiros", diz o texto (VEJA)

Presidente do TSE deve retirar o que disse sobre o resultado da eleição presidencial ou ela está sob suspeita de fraude.

No Painel da Folha de hoje, está publicada a seguinte nota:

Por cerca de meia hora, os sete ministros e alguns técnicos do Tribunal Superior Eleitoral deverão guardar em segredo o nome de quem governará o Brasil a partir de 2015. O presidente da corte, Dias Toffoli, estima que o resultado da eleição será definido por volta das 19h30 de domingo. No entanto, a informação só poderá ser divulgada às 20h, quando as urnas do Acre estiverem fechadas. “Eu não gostaria, mas vai ter que ser assim”, diz o ministro. Ele promete que não haverá vazamentos.

Como assim?

Se o Acre  tem 506.520 eleitores e só começa a apurar os votos às 20 horas, como é que o Presidente do Tribunal Superior Eleitoral pode afirmar que os resultados serão conhecidos às 19: 30 horas? Ou retira imediatamente o que disse ou as eleições estão sob suspeita. Se 506.520 eleitores são descartados antes dos seus votos serem conhecidos, podem chamar os observadores internacionais que a fraude está anunciada.

Atualizando às 12:37 com a observação de um comentarista, abaixo:

Ô Coronel! É que as totalizações já estarão à mais de 95% às 19:30hs no horário de Brasília! Matematicamente não será necessário aguardar o resultado da votação no Acre que terminará às 20 horas (horário de Brasília) ou 17 horas (horário do Acre) para sabermos quem venceu, entendeu?

Respondo!

E se a diferença neste momento for menor do que 500 mil votos do eleitorado do Acre? E se durante a apuração do Acre houver chance matemática para os dois candidatos? Ele não terá que esperar até o final da apuração naquele estado? É óbvio que sim!

Vaccari, o homem do PT que cobrava 3% de propina sobre tudo o que a Petrobras comprava, vai sair do Conselho de Itaipu. Revistem o homem na saída, que ele pode estar levando uma turbina no bolso.

Atingido pelas denúncias no escândalo da Petrobrás, o tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, vai deixar o Conselho de Administração da Usina Hidrelétrica de Itaipu, antecipando em um ano e meio o final do seu mandato no cargo. Segundo o presidente do partido, Rui Falcão, o afastamento de Vaccari é uma decisão do governo que se alia a uma vontade do tesoureiro de “se concentrar mais nas atividades” da legenda. 

O anúncio da saída é providencial para a campanha de Dilma, desconfortável com os ataques dos adversários contra Vaccari. “Não há nenhuma denúncia comprovada envolvendo o companheiro Vaccari”, afirmou Falcão. O dirigente acrescentou que ele permanece cuidando das contas do PT. “Não há nenhuma razão para substituí-lo.”  

Segundo o presidente do PT, Vaccari lhe disse que deixaria Itaipu “antes do surgimento das denúncias infundadas”. O mandato de quatro anos no conselho da Itaipu, para o qual Vaccari foi reconduzido em 17 de maio de 2012, só expiraria em 16 de maio de 2016. 

Munição. Apesar de assessores do Planalto acharem que Vaccari deveria mesmo deixar o posto de imediato, a tese é repudiada por outras correntes internas da campanha de Dilma. Há quem ache que isso será uma “confissão de culpa” e que poderá “dar munição” para o candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves (PSDB), no debate da TV Globo, na sexta-feira.

No debate da TV Record, no domingo passado, Aécio destacou que Dilma reconheceu que houve desvios na estatal e questionou a presidente se o tesoureiro do PT vai continuar na função de conselheiro de Itaipu após ser citado nas denúncias do ex-diretor Paulo Roberto Costa. Por três vezes, o tucano perguntou a Dilma se ela confiava em Vaccari.  O tesoureiro do PT foi acusado pelo ex-diretor da Petrobrás Paulo Roberto Costa e pelo doleiro Alberto Youssef de participar de esquema de arrecadação de propina para a sigla. 

Falcão prometeu mudanças no partido para o período pós-eleitoral. Disse que as acusações de Aécio Neves à presidente Dilma ao invés de atingi-la, provocaram um “efeito bumerangue”. “A agressividade, as denúncias forjadas, o tom de voz, o menosprezo em relação às mulheres, tudo isso está provocando um efeito inverso ao que ele pretendia. Ele está provando do próprio veneno”, comentou. Questionado se haverá um saneamento do partido por causa das denúncias, Falcão respondeu: “O PT não convive com malfeitos e atos de corrupção”. (Estadão)

Dilma não deixa divulgar dados sobre aumento da pobreza antes da eleição.

Por decisão do governo federal, o país chegará ao segundo turno da eleição presidencial no domingo sem ter dados atualizados sobre o desempenho dos alunos em português e matemática e a arrecadação de tributos, estatísticas potencialmente negativas para a campanha da presidente Dilma Rousseff. Como a Folha informou, também só serão divulgados depois da eleição dados sobre o desmatamento e um novo estudo sobre o contingente de pobres e de miseráveis. 

Avaliações independentes ou informações oficiais já publicadas sinalizam que os indicadores mostrarão piora nessas duas áreas. Diferentes instituições do governo Dilma Rousseff responsáveis por esses dados apontam questões técnicas, administrativas ou legais para explicar o que houve. 

No caso da educação, tradicionalmente até agosto são apresentados os resultados de um exame nacional aplicado, a cada dois anos, a mais de 7 milhões de alunos. Em setembro, o Ministério da Educação divulgou indicador que usa como base a prova de 2013 e a taxa de aprovação dos alunos --o Ideb--, sem mostrar qual foi o resultado em cada âmbito. Assim, não é possível saber como está o nível atual dos estudantes brasileiros em português e matemática. 

Por meio de dados secundários do próprio ministério, é possível estimar que os estudantes do ensino médio tiveram notas piores na prova nacional, mas menor reprovação nas escolas. Os colégios nesse nível de ensino são mantidos majoritariamente pelos Estados, mas cabe à União induzir melhorias no sistema. Já os alunos do ensino fundamental devem ter obtido desempenho positivo nas duas matérias.
Associação de funcionários do Inep (órgão que organiza a prova) divulgou carta pedindo autonomia ao órgão e "proteção frente a demandas de caráter privado". O professor da USP Ocimar Alavarse, especialista em avaliações educacionais, afirma que o intervalo entre a aplicação da prova (novembro de 2013) e a divulgação dos resultados (provavelmente novembro de 2014) "limita a análise" dos dados. 

ECONOMIA
Outra informação que será divulgada apenas após as eleições é o resultado da arrecadação de tributos em setembro. Mantida a tendência recente, a arrecadação será menor do que a esperada pela gestão Dilma. O anúncio normalmente ocorre até o dia 25. Em abril, maio e junho, porém, foi feito após essa data (nos dias 27, 26 e 28, respectivamente). 

Na aferição do desmatamento da Amazônia, cujos resultados são divulgados todo mês, apenas em novembro serão publicados os dados de agosto e setembro. Segundo análise da ONG de pesquisa Imazon, a taxa subiu 191% se comparado os bimestres de 2013 e 2014. 

Outra divulgação postergada foi o estudo do Ipea que analisará o número de miseráveis no país. Um diretor chegou a pedir afastamento devido à decisão. Segundo pesquisa do Iets (Instituto de Estudos do Trabalho e Sociedade), houve, no ano passado, pequeno aumento no número de indigentes. A informação já foi usada pelo tucano Aécio Neves em sua campanha.(Folha de São Paulo)

Revolta contra campanha suja da Dilma e do PT ganha as ruas para levar Aécio à Presidência.


Em um comício realizado numa praça da região central da capital mineira, o candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, disse que no próximo domingo vai “libertar o Brasil como fez Tancredo Neves há 30 anos, quando libertou o país da ditadura”. Cercado de políticos mineiros, Aécio se comparou ao avô no desafio de devolver o país a um governo mais democrático. Tancredo liderou o processo de redemocratização e a campanha das “Diretas Já”. Escolhido presidente, por voto indireto, no Colégio Eleitoral, Tancredo morreu antes de assumir.

— São pouquíssimos dias que nos separam da libertação do Brasil. Porque, se há 30 anos atrás, o pai de minha mãe, o presidente Tancredo Neves nos libertou da ditadura, e eu vou libertar o Brasil de um grupo que se apropriou do poder em benefício de de um pequeno grupo e em detrimento dos interesses maiores da nossa gente. Não venho para dividir, venho unir esse país em torno de valores como os da ética e da honradez — disse Aécio Neves.

Ele lembrou ainda do ex-presidente, também mineiro, Juscelino Kubitschek. — Sempre que a dificuldade é grande, o Brasil descobre em Minas o líder para conduzir as mudanças. Foi assim com Juscelino Kubitschek há 50 anos. E há 30 anos coube a outro mineiro nos conduzir à liberdade e à democracia. E quase como a construção do destino, outros 30 anos se passaram e e estou aqui com os mesmos valores, a mesma coragem, a mesma determinação para governar o Brasil — discurso o tucano.

Aécio disse que está nas mãos do eleitor eleger um novo governante, com um novo projeto para o país. — Vamos dizer não à corrupção e ao desgoverno. Vamos convencer o indeciso e virar o voto contrário e mostrar que Minas não se curva à mentira e à ofensa. Alguns não acreditam, mas minha maior vitória será em Minas. Minas é minha casa, minha causa, minha vida — disse Aécio, com voz rouca, durante o comício.

Numericamente atrás nas últimas pesquisas, Aécio pediu que cada um “arregace as mangas” e tente virar o voto dos indecisos. — Neste próximo domingo, estaremos escolhendo o país no qual queremos viver. Se no Brasil que respeita sua história e que constrói o seu futuro. Ou nesse país da vergonha, da mentira, do achincalhe e das ofensas em que se transformou a campanha da nossa adversária — disse o tucano, criticando a adversária Dilma Rousseff (PT).

Ele reclamou dos ataques que têm sofrido. — Nossa história é de dignidade e honradez. Ninguém viu nessa campanha eleitoral o que eu vi, a energia que eu senti. Sou hoje um vitorioso, mas no domingo serei mais do que vitorioso. Peço a vocês: faltam apenas poucos dias. Vamos arregaçar as mangas, de cabeça erguida.

Pouco antes, o senador eleito Antonio Anastasia (PSDB) reclamou dos ataques a Aécio, especialmente desferidos pelo ex-presidente Lula. — Vamos calar a boca daqueles que vem aqui falar baixarias — disse Anastasia.

O cantor Fagner, presente no comício, disse que o Nordeste estava com Aécio. — Tem gente que acha que é dono do Nordeste — alfinetou o artista. Durante o comício, os cantores sertanejos acabaram descumprindo a legislação eleitoral. O cantor César Menotti —da dupla César Menotti e Fabiano — cantou o jingle da campanha, enquanto o clipe passava no telão. A legislação proíbe a realização de showmícios, com a apresentação de cantores. (O Globo)

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Brasil vai às ruas por Aécio e contra o PT.


Em São Paulo, tucanos e marineiros colocaram 15.000 pessoas no Largo do Batata em apoio a Aécio Neves 45. Entre os gritos anti-PT, repetidos à exaustão pelos manifestantes, destacaram-se repostas ao desatino e às baixarias do ex-presidente Lula. "Lula, cachaceiro, roubou o meu dinheiro", gritavam. Também ouviu-se:"Dilma vai embora, o Brasil não quer você, aproveita e leva o Lula e os vagabundos do PT"; "O PT roubou" e "Fora PT". O Brasil esta indo às ruas por Aécio e contra o PT. A campanha suja e baixa da Dilma estão revoltando o povo brasileiro. A resposta será nas urnas, domingo.