quinta-feira, 3 de setembro de 2015

O PT não para de mentir.

O PT não abre não de um ministério e de um cargo de confiança. O PT, no Congresso, vota em massa em todas as decisões da desastrada política econômica da Dilma. O PT votou sem remorso o corte dos direitos trabalhistas, o seguro desemprego, a redução das pensões, os aumentos dos aposentados abaixo da inflação. No entanto, o PT está montando um ato para mentir para o povo brasileiro. O nome do evento é Conferência Nacional Popular - em defesa da democracia e em busca de uma nova política econômica. Para eles, o TSE, o TCU, o STF, o Congresso Nacional julgarem os crimes eleitorais e fiscais de Dilma é um ato contra a democracia, quando todas estas ações estão previstas na Constituição Federal. Já a mudança na política econômica é um teatrinho, pois eles querem de volta a CPMF, o aumento da CIDE e qualquer outro imposto que permita que eles mantenham mais de 20.000 cargos comissionados espalhados pela máquina pública. E que a CUT continue extorquindo os trabalhadores. A pergunta que fica é por que não propõem o fim do Imposto Sindical? Esta corja promete“criticar e fazer ações de massa contra todas as medidas de política econômica e ajuste fiscal que retirem direitos dos trabalhadores e que impeçam o desenvolvimento com distribuição de renda”. É o avesso do que pratica este partido de ladrões, corruptos e mentirosos.

Janot levando a Lava Jato de barriga.

(Globo) A procuradoria-geral da República pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) mais 60 dias de prazo para continuar investigando nove pessoas suspeitas de participar do esquema de desvios da Petrobras. Entre os investigados nessa condição estão o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e o senador Edison Lobão (PMDB-MA). Os pedidos de prorrogação foram feitos em onze dos 25 inquéritos abertos no tribunal para apurar indícios encontrados na Operação Lava-Jato.

Na visão da PGR, as prorrogações são necessárias porque as apurações ainda estão em fase inconclusivas – ou seja, não é possível avaliar se é o caso de apresentar denúncia contra os investigados, ou se é preciso arquivar os inquéritos por falta de provas suficientes para sustentar uma ação penal. Caberá ao relator dos inquéritos, ministro Teori Zavascki, autorizar ou não os pedidos da PGR. As investigações começaram no início de março e já foram prorrogadas duas vezes.

Em agosto, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, tomou outra decisão em relação ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e ao senador Fernando Collor (PTB-AL). Na avaliação dele, já havia indício suficiente contra ambos, que foram denunciados ao STF. Ele quer transformar os inquéritos em ações penais. Os ministros do tribunal decidirão, em votação, se concordam ou não com o procurador-geral.

Até agora, Janot pediu o arquivamento de apenas um inquérito, contra o senador Antonio Anastasia (PSDB-MG). Zavascki deverá formalizar em breve o arquivamento da investigação.
Na segunda-feira, o presidente do Senado foi ouvido pela Polícia Federal (PF) sem qualquer alarde, na sede da superintendência da PF no Distrito Federal. O depoimento durou uma hora e meia e, segundo o advogado do senador, Eugênio Pacelli, todas as perguntas dos policiais federais foram respondidas.

Depois de prometer 100.000 novas vagas, Dilma cancela o Ciências Sem Fronteiras.


(Folha) Diante da falta de recursos, que levou o governo Dilma a enviar ao Congresso um Orçamento com deficit em 2016, o Palácio do Planalto decidiu congelar a oferta de novas bolsas do programa Ciência sem Fronteiras no próximo ano. Segundo a Folha apurou, o orçamento definido pela equipe econômica para o programa no próximo ano, no total de R$ 2,1 bilhões, é suficiente apenas para a manutenção de estudantes que já estão no exterior. 

Em comparação ao orçamento deste ano (R$ 3,5 bilhões), os recursos do Ciência sem Fronteiras em 2016 terão corte de 40,3%. Um percentual acima disso implicaria na interrupção dos estudos de quem já foi selecionado e embarcou para uma universidade no exterior. Lançado em julho de 2011, o programa se tornou uma das principais bandeiras da presidente Dilma na educação. Após abertura de 101 mil vagas até o ano passado, o compromisso para o segundo mandato foi criar mais 100 mil bolsas. 

O preço do dólar, no entanto, elevou os custos do Ciência sem Fronteiras, que tem desembolsos não apenas com pagamento de benefícios para os alunos como para as instituições de ensino superior que acolhem os brasileiros. Se em julho de 2011 o dólar era cotado a R$ 1,55, neste mês o câmbio está próximo de R$ 3,70. Até o momento, não há data definida para o lançamento de novos editais de seleção, neste ano, de bolsistas para graduação. No ano passado, o processo seletivo começou já em agosto. 

A expectativa agora é que, caso o governo libere verba adicional para o programa no ano que vem, o foco prioritário sejam estudantes da pós-graduação. Questionado sobre esse tema, a Capes não respondeu. A agência informou que "todos os programa do MEC estão mantidos" em 2016. "O ministério está realizando uma análise detalhada do orçamento para dimensionar os programas para o próximo ano", disse em nota.

Dirceu na penitenciária com Duque e Vaccari.

(O Globo) O ex-ministro José Dirceu foi transferido, nesta quarta-feira, da carceragem da Polícia Federal (PF) em Curitiba para o Complexo Médico Penal (CMP) em Pinhais, na região metropolitana da cidade. Com os cabelos mais curtos do que quando participou da CPI, na segunda-feira, Dirceu entrou na mesma van da Polícia Federal em que estavam João Vaccari Neto e Renato Duque. O ex-tesoureiro do PT e o ex-diretor da área de serviços da estatal participaram de uma acareação da CPI da Petrobras no prédio da Justiça Federal na manhã desta quarta-feira.

O pedido para que Dirceu ficasse preso no CPM foi feito pela defesa do petista na segunda-feira. O advogado do ex-ministro, Roberto Podval declarou após depoimento de Dirceu à CPI da Petrobras, que o Complexo Médico Penal, um presídio, é mais “saudável” ao seu cliente do que a PF.

Dirceu foi indiciado na terça-feira pela Polícia Federal por formação de formação de quadrilha, falsidade ideológica, corrupção passiva e lavagem de dinheiro.O ex-tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, que já é réu na Lava-Jato, também foi indiciado pelos mesmos crimes, além de organização criminosa. Outras doze pessoas também foram citadas pela PF. O Ministério Público Federal deve oferecer denúncia ainda esta semana.

quarta-feira, 2 de setembro de 2015

Lula Inflado visita seu futuro lar.

Depois de uma passagem por São Paulo em que foi 'atacado' por uma militante do PCdoB com uma faca, o boneco Lula Inflado, ou 'Pixuleko', visita nesta quarta-feira a sede das investigações da Operação Lava Jato: Curitiba. Um dos principais símbolos dos protestos contra o governo e o Partido dos Trabalhadores em 16 de agosto, o boneco inflável que representa o ex-presidente Lula com roupas de presidiário foi erguido pela manhã em frente a sede da Polícia Federal na capital paranaense. De lá, seguiu para a sede da Justiça Federal em Curitiba, onde a CPI da Petrobras realiza uma acareação entre Augusto Mendonça Neto, Renato Duque e João Vaccari Neto.

Dilma corta 32% dos gastos de Saúde.

(Folha) O gasto do governo federal com investimentos (obras e compras de aparelhos) na saúde caiu 32% nos primeiros sete meses de 2015 em relação a igual período do ano passado. De janeiro a julho de 2014, o desembolso para construção de unidades de saúde e compra de equipamentos médicos chegou a R$ 2,5 bilhões. Neste ano, o montante não passou de R$ 1,7 bilhão. 

Em meio à crise, o Ministério da Saúde sofreu um corte de R$ 13 bilhões em seu orçamento original, que era de R$ 121 bilhões para 2015. oi o segundo maior ajuste na Esplanada –superado apenas pelo da pasta das Cidades. Mesmo com o corte, o ministro da Saúde, Arthur Chioro, dizia que a pasta havia sido "preservada" e não sofreria forte impacto.

Copom pode aumentar juros ainda hoje.

(Veja) O Comitê de Política Econômica (Copom) do Banco Central anuncia nesta quarta-feira sua decisão sobre a taxa básica de juros da economia brasileira, a Selic. A maior parte dos analistas acredita em manutenção da taxa, que atualmente é de 14,25%.

Ainda que as apostas sejam de permanência da Selic onde está, já há no mercado quem não descarte uma elevação de 0,25 ponto percentual. A alta do dólar é o centro dessa desconfiança: com a crescente valorização da moeda americana, a pressão inflacionária fica mais acentuada. A elevação dos juros é um dos instrumentos utilizados pelo BC para conter o aumento dos preços.

O dólar já acumula alta de mais de 36% desde o início do ano. Nos últimos dias, a valorização ganhou combustível adicional com o anúncio feito na segunda-feira pelo governo de um orçamento para 2016 com déficit de 30,5 bilhões de reais.

A pressão inflacionária é forte. Na pesquisa Focus, realizada semanalmente pelo Banco Central com instituições financeiras, a expectativa de momento dos analistas é que o IPCA feche 2015 em 9,28%. Esse patamar está bem acima do centro da meta de inflação estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional, atualmente de 4,5% (com tolerância de dois pontos percentuais para mais ou para menos).

Lula é quem vive um momento de irracionalidade.

Lula passa por cima das pesquisas que mostram Dilma Rousseff com apenas 7% de ótimo e bom e com quase 80% de péssimo e ruim e critica os panelaços. Na sua conduta doentia de jogar pobres contra ricos, Lula diz que o problema depois do panelaço é a empregada lavar a panela. Pobre diabo. Não há mais divisão entre pobres e ricos. Nem há divisão entre a grande maioria que não aguenta mais o governo Dilma, que não suporta mais a corrupção do PT e que delira de alegria quando vê um Lula presidiário ser inflado nas manifestações. Irracional é o Lula, tanto  que é que, se for candidato, será derrotado até mesmo por Marina Silva.

Quem está escondendo o dinheiro roubado por José Dirceu?

 
(Estado)As investigações da Operação Lava Jato indicam que o ex-ministro José Dirceu (Casa Civil/Governo Lula) recebeu R$ 11,8 milhões em propinas do esquema de corrupção na Petrobrás. Esse é o valor comprovado, segundo a PF, mas os investigadores estimam que Dirceu pode ter embolsado outros R$ 7 milhões provenientes de contratos firmados em sua área de influência na petroleira.
relatorio-pf
relatorio-pf-2

Relatórios de investigação da PF apontam, ainda, que o esquema de corrupção atribuído a Dirceu, que chefiou a Casa Civil no primeiro mandato de Lula, movimentou mais de R$ 59 milhões propinas. A PF estima que o valor pode ultrapassar os R$ 84 milhões.

O petista recebeu mais do que o ex-diretor da Petrobrás Renato Duque que, segundo as investigações, foi destinatário de R$ 7,6 milhões em propina enquanto esteve na Diretoria de Serviços, em valores já confirmados.No entanto, grande parte deste dinheiro não passou por contas bancárias, o que leve a grande pergunta: quem está escondendo o dinheiro roubado por José Dirceu?

Gilmar insiste que Janot cumpra seu papel.

Ministro Gilmar Mendes
(Estado) O vice-presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Gilmar Mendes, decidiu reenviar à Procuradoria-Geral da República  um ofício  que pede a investigação de eventuais práticas criminosas envolvendo a contratação da gráfica VTPB pela campanha da presidente Dilma Rousseff, em 2014. A decisão de Gilmar contou com apoio de outros três ministros da Corte eleitoral, que fizeram coro nas críticas feitas ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que decidiu, no último dia 13, arquivar o caso. 

Os ministros Dias Toffoli, presidente do TSE, João Otávio de Noronha e Henrique Neves, concordaram com Gilmar ao rebater o procurador-geral sobre a fala de que a Justiça eleitoral e o Ministério Público eleitoral não podem adotar posicionamento de "protagonismo". Já as ministras Rosa Weber - que substituía o ministro Luiz Fux -, Luciana Lóssio e Maria Thereza de Assis Moura, não se pronunciaram sobre o caso. As duas últimas ministras têm adotado um posicionamento mais brando sobre as investigações contra Dilma que estão em curso no TSE.
 
A decisão de Gilmar Mendes, que relatou as contas de campanha de Dilma nas eleições de 2014, aconteceu pouco depois de Janot ter arquivado pedido de investigação encaminhado em maio à Procuradoria. "Causa especial espanto a afirmação do chefe do Ministério Público Federal de que a Justiça eleitoral e o Ministério Público não devem ser protagonistas do espetáculo da democracia", disse Gilmar em crítica direta à decisão de Janot. 

"A atuação da Justiça eleitoral deve ocorrer de forma minimalista, isso equivale a dizer que os agentes devem enfiar a cabeça na terra como se fossem avestruz para que os ilícitos não sejam vistos?" emendou. Em entrevista publicada pelo Estado ontem, Gilmar classificou o parecer de Janot como "ridículo" e disse que a argumentação vai de "pueril a infantil".

O ministro Dias Toffoli também contestou trecho do despacho do procurador-geral que defende que a Justiça eleitoral deve promover a pacificação social. "O exercício dessa pacificação social que a justiça eleitoral traz é em razão da sua ação e não da sua não-ação", disse Toffoli, acrescentando que a decisão de determinar a investigação de fatos relativos à campanha de Dilma "não é uma determinação isolada do ministro Gilmar Mendes. "Isto consta do acórdão do TSE e é uma determinação da Corte", defendeu. O presidente do Tribunal repetiu uma frase que vem sendo ditar por Gilmar, de que as investigações devem ocorrer para apurar, inclusive, "desvios que podem ter como vítima a própria campanha".

O ministro Henrique Neves citou o julgamento de uma prestação de contas de 2007, em que a Corte teve atitude semelhante à adotada em relação à campanha petista. Segundo ele, "foi exatamente o mesmo procedimento que este Tribunal adotou", lembra.

Já Noronha disse que, apesar de Janot defender uma postura "minimalista" da Justiça eleitoral e do Ministério Público, ter testemunhado o papel de protagonismo adotado pela Procuradoria nas eleições de 2014. "Sou testemunha de quanto se empenharam os ministros para que pudéssemos proceder eleições sérias, democráticas, transparentes", provocou. "Sou testemunha de que a Justiça eleitoral não tem sido, ao contrário do que afirmado no despacho, um protagonista exagerado. Houve um processo que se cassava, e com muito empenho, e o MP atuou de forma em que se buscava cancelar o registro do senhor Paulo Maluf (deputado federal pelo PP-SP). A justiça eleitoral foi protagonista em assegurar a aplicação da lei", lembrou.

Noronha, que é relator de duas ações que investigam a campanha de Dilma Rousseff, repetiu ainda afirmações que vêm sendo feitas por Gilmar Mendes, de que a Corte adota posições "assimétricas" em relação a casos envolvendo prefeitos, governadores e presidente da República. "Nós julgamos impugnação de registro dos prefeitos das pequenas cidades todo dia. Se há para os pequenos, por que não pode haver para os maiores?", indagou.

O ministro aproveitou ainda para afirmar que as investigações acontecem de forma posterior à diplomação dos candidatos eleitos "porque os fatos são revelados depois de concluído o processo, as eleições", disse. "Tudo isso se faz para que haja um controle, ainda que a posteriori, da legitimidade do pleito eleitoral. Isso não deve ser imputado como uma medida de perseguição, de descontentamento", defendeu.